Pesquisar neste blog

terça-feira, 17 de maio de 2011

7 ... ainda que piegas?



Quando agente gosta é claro que a gente cuida, fala que me ama... aonde está você agora?”
Sim, em tempos modernos e com hábitos e valores subvertidos, existe amor. Tempos em que se diz ser arcaico uma mulher casar virgem, mas que ainda prevalece o machismo pelo qual a mulher deve cuidar da casa, saber cozinhar, estar sempre linda e maravilhosa, entender lhufas sobre futebol, carro e não dirigir. Interessantemente que, após um grande comercial sobre casamentos, se falou sobre as embalagens e não da essência de uma família.
Antigamente, moças eram virginais e comedidas, educadas às prendas domesticas, e aprendiam que havia dois mandamentos. A saber, o 1º “Amaras ao Senhor teu Deus”, e o 2º: “Adoraras ao senhor teu marido, e dedicada serás a ele e aos filhos”. Casavam no máximo aos 24, e de preferência com os doutos, afinal bom partido tinha bens, alguma nobreza e, normalmente, um falso titulo de doutor. Digo isso pelo fato de que sempre quem é doutor é quem fez doutorado. E elas, quando sabiam, e sabiam muito, era ler e escrever e os rudimentos matemáticos.
Hoje, moças não casam, se ajuntam, ou melhor, vivem em união estável como diz a lei. As moças que, quando aos 20 ainda são virgens, sãoobjeto’ de estudo, e normalmente é o que fazem, estudam. Os moços, bem, demoram a, ou não se dedicam a uma formação profissional especializada. Ao que parece, hoje, as mulheres devem ser como as do inicio do século passado, prendadas, seguidoras do 2º mandamento e com um plus que vem a ser, com formação, ganhando rios de dinheiro, e sendo a mulher.
Houve uma grande transformação nesses 100 anos que se passaram. Mais ainda sim e hoje a pergunta, talvez piegas, permanece: e o amor? era “Camões estava lúcido?? Se não, ainda sim, quero viver esse devaneio”, hoje é “Contos de fadas não existem, mas quero encontrar um príncipe (de preferência loiro, de olhos azuis, 1,90 m, de corpo atlético) num cavalo branco”.
“É claro que agente cuida”. Longe estou do curso da psicologia, mas digo que amor que é amor, é um sentimento informe. Não importa o tipo, pode ser: de amigos, de namorados, de irmãos, de pai e filho; em todos eles existe a marca “é claro que agente cuida”. E é pelo cuidado que surge o tal ciúme. Alias, sentimento, outro, bem conhecido dos filhos únicos, caçulas e criados por avós.
Digo sim, que, ontem, hoje e amanha, todos buscavam ou buscam ou buscarão pelo amor. Amor de alma é forte, intenso, imensurável, indissolúvel, e transpõe qualquer obstáculo. É zeloso, cuidadoso e por mais paradoxal que pareça não é ciumento ou possessivo, pelo contrario, é libertador, o melhor remédio, cura tudo, desde as mais profundas magoas, até joelho contundido! Por ser o mais nobre sentimento não trai.
Mas como sou uma pessoa moderna e muito mais do que esta geração expressa, digo que amar é ser absolutamente interesseiro e racional. Não escolher o príncipe ou a princesa pela embalagem, afinal hormônios acabam e o oxigênio oxida a pele que hoje é lisa e amanha está enrugada. Escolha, procure, talvez não seja de 1ª nem de 2ª, mas procure até encontrar aquela pessoa que tem condições de te dar tudo o que você precisa, que é tudo e tem toda as características que você sempre sonhou. Não se iluda com as aparências!
É na hora da decisão, ou a hora que deixamos passar, que traçamos o nosso destino. Não corra o risco de se prender, por acidentes, com quem você sabe que não vai fechar aquela parceria toda. Porque olhando para frente, valoroso é uma família cuja base é insolúvel e não porque o padre disse, mas porque o tal par se encaixa, se completa, e depois que isso acontece ocorre algo fantástico. Os dois fazem o que for necessário para sempre ser do outro (a) e tê-lo (a), e isso na mais harmônica concomitância, fortificando cada vez mais a relação. Feliz é quem acha esse tesouro. Então, como disse uma vez meu avô à minha avó “seja como as crianças que sabem o que querem e são felizes”.

A g n e s

7 comentários:

  1. Oii Parabéns pelo seu blog!
    Visita lá o meu e me segue tb
    Bjs

    Leitura entre Amigas
    leituraentreamigas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. É isso aí! O amor de verdade liberta mesmo. Nesses nossos tempos de hoje tá dificíl achar quem ainda acredite nessa ´"pieguice" tão bonita e tão necessária à todos nós! Mas existem! =)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. seja como as crianças que sabem o que querem e são felizes.
    essa frase é fanta´stica! simplismente fantástica, o que seria do mundo sem elas. e olha que isso é fato pois trabalho com elas todos os dias. parabéns belo blog!

    e aufrichtig!

    ResponderExcluir
  4. Um texto excelente. Uma pergunta muito pertinente, o amor ainda existe? Eu acredito que sim, só que está abaixo, submerso em uma pilha de outras coisas fúteis. Ganância, narcisismo, falso moralismo... A nossa sociedade está criando falsas necessidades, discursos feministas criando ideias de que pelo fato da mulher ter sido submissa por muito tempo agora deve procurar ser melhor do que o homem, como um espécie de vingança. Quando na verdade, ambos deveriam viver em igualdade, partilhando alegrias e tristezas. Ao menos eu, acredito que, o amor faz parte da essência humana só não está sendo colocado como prioridade.

    Abraço

    ResponderExcluir
  5. ola adorei seu blog..
    Parabéns..
    já estou te seguindo se vc pode me seguir tbm agradeço..
    beijoss..
    http://novidadesdamaroka.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. as mudanças de paradigmas influenciaram novas opinioes sobre o amor,mas ele continua com o mesmo teor de significado que foi a cem anos ou dois dias atras !!

    o amor é tudo ainda !

    ResponderExcluir
  7. Com certeza está banalizado o amor e a demonstração dele. Os muitos críticos de pessoas que ainda são piegas, são os mesmos que precisam e se lamentam de não ter um pouquinho que seja desse amo.

    bom texto .. se possível visite o meu blog, é novo, segundo post ainda http://minhaagora.blogspot.com/

    abraço e até mais!

    ResponderExcluir

Seja muito bem vindo! Sua opinião pessoal sobre o post é muito importante.