Pesquisar neste blog

quarta-feira, 20 de julho de 2011

25 Feliz Dia do Amigo!

    
      Acordei hoje de manhã e descobri que é o Dia do Amigo. Achei que essa data já tinha passado... Não é um dia anunciado com antecedência ou com programações especiais. O que é uma pena.
     É com alegria que falo desse dia, pois é uma singela homenagem a esses companheiros das horas difíceis e também das alegres. Concordo totalmente quando dizem que os amigos são a família que a gente escolhe.
     Por isso agradeço a todos os meus amigos. Especialmente aos meus companheiros do blog, Agnes e Hisoka.
     Não posso deixar de falar das pessoas maravilhosas que conheci através da blogsfera. Já tenho muitas delas como amigas, mesmo sem nunca ter tido contato pessoal. Já tive o prazer de conversar com algumas delas e, com as outras, sei que ainda terei a oportunidade para isso. Agradeço a todos pela receptividade, simpatia e carinho.
     A Amizade é celebrada de muitas formas diferentes. Também já contribuí com meu humilde tributo a esse sentimento há um tempo atrás, aqui no Versos.
     Então, hoje, decidi compartilhar com vocês uma música da qual gosto muito e que acho umas das mais belas homenagens aos amigos, que não deve ser cantada apenas neste dia, mas em todos os outros.
     Espero que gostem.
     Abraço a todos.
Angelus. 




  

quarta-feira, 13 de julho de 2011

19 Qual é o seu Propósito?

      Assim que comecei com este blog, minha ideia era escrever apenas textos autorais, sem fazer resenhas de livros ou sinopses de filmes. Porém, ultimamente venho me questionando muito a respeito de Propósito. E eis que surge este livro: Quatro Vidas de Um Cachorro.
     Não quero me alongar em detalhes, muito menos impor uma leitura. Mas gostaria de dividir esse livro com vocês, mais como uma sugestão e até mesmo um desabafo. Não sou uma pessoa que chora com facilidade e esse livro conseguiu trazer-me lágrimas aos olhos.
     Bem resumidamente, é a história de um cão, contada pelo próprio, que vive quatro vezes até cumprir seu verdadeiro Propósito. Mas eu ressalto que é uma ficção! Divertida e emocionante. Em nenhum momento o livro se coloca como sendo de auto-ajuda.
     No decorrer da trama, conforme renasce como um novo cão, ele vai adquirindo experiências ao longo da vida que o ajudam a concluir, finalmente, sua meta.
     Através de uma história de renascimento além da compreensão humana, do ponto de vista inocente de um cachorro, tal qual uma criança ingênua, a mensagem que este livro nos passa é de uma simplicidade surpreendente:

     Tudo na vida tem uma razão de ser, tem um Propósito.

     Eu já vinha pensando nessa questão há um tempo: qual meu Propósito? Minha meta? Meu objetivo? Essas perguntas sempre me deixam inseguro, mas hoje, ao terminar esta leitura, estou um pouco mais otimista.
     Mesmo que neste momento não saibamos, todos nós temos um Propósito.
     Um dos personagens do livro cita John Lennon, que disse que “a vida é algo que acontece quando você está fazendo outros planos”.
     A forma como conduzimos nossa vida é o que nos permite encontrar e cumprir nosso Propósito.
     Nos perguntamos muitas vezes por que as coisas acontecem de determinada forma, com mudanças que não compreendemos. Entretanto, acredito que essa sucessão de fatos é o que nos conduz pelo caminho para descobrirmos nosso objetivo.
     O mais importante disso tudo é seguir em frente por esse caminho carregando consigo o sentimento essencial para se dedicar a algo: Amor.
     Foi o amor incondicional que o cachorro sentia por seu dono e o amor deste pelo cão que culminaram no cumprimento do Propósito de ambos.
     Depois que entendemos isso, não quer dizer que o nosso Propósito aparecerá como um passe de mágica na nossa frente. Só que entender o que lhe motiva já é um passo e tanto.
     Então, nosso Propósito é alcançado simplesmente vivendo-se a vida. Absorvendo tudo que podemos tirar dela. Acumulando experiência. Amadurecendo. E principalmente, dedicando-se à nossa empreitada com Amor.

Angelus.



segunda-feira, 4 de julho de 2011

10 Uma questão de atenção

Nosso querido Angelus, em seu último post falou sobre espontaneidade. Obrigada viu?! Falarei espontâneamente! Falando nele que já escreveu bem à respeito de educação, farei mais um comentário.

Hoje estive lembrando de um fato triste. Um amigo meu em uma discussão, com fundamentos fúteis e desenvolvimento, ao meu ver, desprovida de maturidade, depois da namorada tanto chatear soltou "vá à merda" e desligou o telefone. Por algo tão infantil como por exemplo, um vascaino fazer o outro que é flamenguista convicto ouvir o hino do Vasco obrigado. Fiquei pensando nesse caso e concluí algo muito sério. Quando uma pessoa que diz amar a outra, fala isto a esta pessoa, será que realmente existe amor???! Ou será que estamos adentrando no caminho irretroativo do fim ou mesmo já a falta do respeito?


Quando lendo meus emails, vi uma charge:





Paródia da cantiga da qual acredito que todos os leitores quando criança cantou-a:

"O Cravo brigou com a rosa

Debaixo de uma sacada

O Cravo ficou ferido

E a Rosa despedaçada

O Cravo ficou doente

A Rosa foi visitar

O Cravo teve um desmaio

A Rosa pos-se a chorar"

Ou pelo menos, cantou à alguma criança. O mais interessante é que ironicamente, talvez, é o que acontece à maioria das mulheres que procuram a defesa da Lei 11340, vulgo "Maria da Penha". A mulher reclama da agressão, e procurando uma DEAM, dá início ao processo, sendo no dia da "reconciliação", ele faz drama, e ela perdoa, e ele faz tudo de novo, e ainda pior.

Quero comentar, um pequeno detalhe, o desconhecimento das mulheres e homens também da íntegra da lei. Não é pretensão agora minha discorrer à respeito desta lei. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm Mas leiam, saberão de direitos muito interessantes, vale a pena realmente.

Dentre as minhas idéias, um fato. Repararam que provavelmente você quando começou a ler da musica cantou-a ??? Talvez você a conheça e dela saiba de cor. A massividade sobre a letra foi tamanha que inconscientemente gravou-se que: homens agridem mulheres. O fato é, somos orientados, a fazer isto ou aquilo ou até mesmo não fazermos por um trauma, ou uma repetição. Isso fica gravado e nunca mais se esquece. Então... cuidado aos traumas que poderão causar nas pessoas! ;)

Agora, veja se você concorda. Quando uma pessoa agride emocionalmente, porque, isso é igual a um tapa, uma pessoa é sinal do que?? Eu visualizo, como inicio ou sinal gritante de que o respeito acabou. Insistir em uma comunicação possuidora de tal marca é muito arriscado. Hoje um ultraje destes, e amanha um aperto no braço ou um "cale a boca"?? Não importa a forma de agressão, nunca, NUNCA, vale apena insistir quando existem sinais gritantes ou discretos de desrespeito.

A g n e s




domingo, 3 de julho de 2011

6 Essência



Escrever não pode ser de caso pensado,
Tem que sair.
Se você pensa,
Você tem tempo de se censurar.
Não adianta planejar uma coisa bela
Uma frase feita ou de efeito
A beleza genuína está na espontaneidade,
Na transparência.
Mas aí também pode estar a feiura
Escrever palavras aleatórias
Que se unem e formam uma coesão,
Mostram os sentimentos e a verdadeira face de quem as escreve.
E aí está a essência da escrita
A Verdade
Independente de qual for
Nua e crua.

Nada mais.

Angelus.