Pesquisar neste blog

quarta-feira, 25 de abril de 2012

18 Desejo



Sensação disfarçada de sentimento
Instala-se, camuflada pelo coração
Sacia-se e se vai
Deixando em seu lugar apenas um vazio

Não demora a voltar
Vestindo outra pele
Mas continua o mesmo
Atributo possessivo

Usando máscara de amor
Intenso
Quente
Rijo

Amigo incerto
Dá prazer
E tira afeto
Desejo

Desejo-te...

Angelus.

18 comentários:

  1. Perfeito seu texto. Tem um pensamento de um filosofo alemão do século XIX chamado Friedrich Nietzsche, que eu acho muito interessante e que traduz bem o que vc diz nesses versos.

    Diz assim:

    "Jamais alguém fez algo totalmente para os outros. Todo amor é amor próprio. Pense naqueles que você ama: cave profundamente e verá que não ama à eles; ama as sensações agradáveis que esse amor produz em você! Você ama o desejo, não o desejado."
    (Friedrich Nietzsche)

    Então, segundo Friedrich Nietzsche toda forma de amor, não passa de puro e simples desejo.

    Achei que vc foi muito feliz em escrever esse texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Marcos. Parando pra pensar com cuidado nesse pensamento de Nietzsche, faz muito sentido. É claro que podemos amar alguém, mas sempre tiramos proveito da situação, pois esse amor causa sensações boas também em nós. É realmente uma via de mão dupla.

      Abração!

      Excluir
  2. Eita , o desejo é a pior coisa do mundo quando não podemos sacia-lo ! hehe , amei a postagem... Beijao, www.spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
  3. É exatamente isso! Adorei!!!

    http://camila-entrequatroparedes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Angelus,

    Tudo bem? Poema intenso! Penso que o desejo é essa mistura, chega sem avisar e só sai quando nem o sentimos se distanciar.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  5. Olá Angelus!!
    "Desejo"!!Linda poesia.
    Ótima noite,amigo!!
    Beijos no core.Soninha.

    ResponderExcluir
  6. Ola Angelus,
    Profundo, poético e intenso!
    Parabéns!


    Abraços Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Angelus.
    O Desejo é bem isso mesmo que você colocou, ele é saciado até ser novamente renovado.
    Me lembrou a ótima hq Sandman, onde Desejo é o único Perpétuo que fica tramando contra os outros, por sua natureza volúvel.
    Abraço,Angelus.

    ResponderExcluir
  8. Oi Angelus
    Que poesia maravilhosa, e que descrição do desejo logo no começo: "sensação disfarçada de sentimento....", eu nunca tinha parado prá pensar nisso até hoje (kkkkkkk). Parabéns!
    Bjos. e um ótimo feriado.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Penso que o desejo é o que nos impulsiona... quando acaba. Bem, não é um bom sinal! De certa forma, é necessário que seja renovado(como o Jac bem colocou, acima)...

    bjinhos :)

    ResponderExcluir
  10. Olá Angelus!

    Puxa, apaixonante... Esses versos remete-nos a momentos que se foram. Momentos onde o amor ainda era quente demais e se chamava paixão.
    Muito bom amigo!

    ResponderExcluir
  11. Na minha opinião, o desejo é a expressão da nossa vontade. Nasce do querer algo para se preencher algum espaço. Pode ser breve em alguns casos e duradouro entre outros. Como uma chama que precisa ser aquecida diariamente, mas com um fogo diferente. Tem várias facetas até mesmo quando está em modo camuflagem dentro do coração. Acredito que uma delas seja aquela descrita nos versos do poema. Pode ainda ser um mistério pois certos tipos de desejo não são tão claros como a luz do dia. São mais como uma forma de energia sem som, que não diz a que veio e que só tem seu mistério descoberto com o tempo.

    ResponderExcluir
  12. Angelus,
    Gostei da forma que vc poetou o desejo nu e cru. No desejo a gente suga o outro, subtrai, exige e deixa ir. Isso mostra a efemeridade do desejo quando nao é alicerçado num sentimento de amor: Termina e fica o vazio, que novamente quer ser preenchido...
    Bjkas doces.

    ResponderExcluir
  13. Angelus, tudo bem?
    Lindo poema!
    Desejos, máscaras, efemeridades, penso estar relacionados às paixões, ao que pode vir a ser amor, ou o que simplesmente irá para voltar, quem sabe, com outra máscara.

    Beijos e ótimo feriado!

    ResponderExcluir
  14. Oi Angelus!
    Que poema interessante! Gostei da forma como expressou os sentimentos e desejos.
    Hum..também tive minha infância na década de 90 e amava a programação da Cultura. Contos de Fadas ficou na minha mente mas eu não me recordava do teor dos episódios com excessão da Pequena Sereia então quando revi foi uma surpresa perceber cada detalhe.
    Bom, a Disney mudou e laterou muito determinados Contos de Fadas. Na verdade alguns contos são muito antigos e ao longo dos séculos foram "refeitos" para se adequarem ás épocas. A Disney abrandou e infantilizou muito os contos, como dando um final feliz á Ariel na Pequena Sereia por exemplo ou o belo final de Corcunda de Notre Dae (adaptação do livro de Victor Hugo). Entretanto a Disney foi digna e deixou pequenos detalhes que são fenomenais.
    A Disney antes do advento das animações em 3D produzia coisas incríveis.
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Olá amigo, como disse, eis-me aqui para prestigiar o seu espaço; pois é como diz um trecho bíblico: dai honra a quem tem honra.
    O desejo tem muitas variáveis, e a mais atroz dela, por assim dizer, é o desejo carnal, muito bem enfatizado em seu texto.
    Uma ótima introdução e belo desfecho... Parabéns e um aperto de mão...

    ResponderExcluir
  16. Angelus as vezes os sentimentos usa uma roupa falsa, mesmo que mude várias vezes de roupa ela continua sendo o mesmo.
    Obrigada pela sua visita, beijos.

    ResponderExcluir
  17. E nunca cessa mesmo! Como um ciclo, onde por mais que parece ter tido um fim, nunca se tem de verdade. Desejo vem, fica e vai. E volta, e fica e vai...
    Adorei, meu bem!

    Beijinhos doces.

    ResponderExcluir

Seja muito bem vindo! Sua opinião pessoal sobre o post é muito importante.