Pesquisar neste blog

sexta-feira, 6 de julho de 2012

35 Blogagem Coletiva: Minha Fé

 


      Tratar de espiritualidade não é uma coisa simples, visto que é praticamente impossível tocar nesse assunto sem falar de religião. Esta, cada um tem a sua; algumas complementam-se, outras se contradizem. Além disso, é frequente a disputa entre uma corrente religiosa e outra para ver qual é a “melhor”, chegando a casos extremos de intolerância e violência.
      Cresci tendo como religião oficial a católica. Meu primeiro contato foi com o batismo, com um ano de idade. Alguns anos depois, veio o catecismo. Esse período foi onde mais frequentei a igreja. Eu e minha família nunca fomos frequentadores assíduos de missas, nem muito rigorosos com os dogmas. Após a minha Primeira Comunhão (que na verdade foi a única), minhas idas à igreja rarearam.
      Admito que isso envolve um pouco de preguiça e falta de paciência, contudo o formato de uma missa por vezes não é atrativo, sendo muito longa e cansativa na maioria das vezes. Mas já fui a algumas muito bonitas, com uma cerimônia diferenciada e musical que nos envolve e cativa.
      De qualquer forma, digo que sou católico por crer em muitas coisas que essa religião prega. Rezo o Pai Nosso e a Ave Maria, acredito que pessoas comuns possam chegar à santidade através da fé em Deus e creio na vida após a morte.
      Mas conforme fui amadurecendo, deixei de lado a religião especificamente. Passei a dar prioridade para a religiosidade, ou seja, a . Sim, mesmo com todas as diferenças entre as religiões existentes, todas tem algo em comum: Deus.
      Sinceramente, acho que religião atrapalha a fé. Reconheço que religião é uma forma de orientar uma pessoa que está confusa e conduzi-la para algo que trará coisas boas. Porém o grande problema é que são correntes demais e distintas demais. Uma sempre tenta se sobrepor à outra, afirmando que ela leva à verdade e a outra à mentira. Isso limita a fé, tira o objetivo principal que é enxergar o criador por trás de todas as coisas. Ao invés de tentar descobrir qual deus é melhor, o correto seria vê-lo como único, aquele que visa o bem de todos e a união dos semelhantes.
       Sendo assim, tento não me prender a fórmulas e preceitos. Acredito em Deus e ponto. É a única explicação possível que consigo dar para a minha vida e a de todos que estão a minha volta. É reconfortante saber que não estamos sozinhos aqui e que temos um objetivo maior do que simplesmente nascer, viver e morrer.
      Somos parte de algo maior, mas só descobriremos o que é juntos.  

Angelus.



 Essa foi a minha participação na blogagem coletiva. Agora convido vocês a prestigiarem os escritos de outros blogueiros participantes. Seguem os links:
 







35 comentários:

  1. Angelus, tudo bem?

    Muito interessante tua experiência a respeito da espiritualidade, e creio que você abordou um ponto fundamental, a maturidade. Pois através do amadurecimento vamos fazer nossa escolha e nossa experiência na fé.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Cissa,
      Com o tempo nos tornamos capazes de discernir sobre em que queremos acreditar e acabamos formando nossa própria visão espiritual.
      Já li seu post e achei um ótimo complemento para o meu.
      Beijos!

      Excluir
  2. Olá,

    Gostei da verdade no seu texto...

    Saudações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Vanessa.
      Dei uma passada no seu blog também.
      Bom fim de semana.

      Excluir
  3. Olá,Angelus!!!
    Comigo tbm aconteceu isso que vc relata.
    Mas, chegou um determinado momento em que vazios vieram à minha alma.
    E só foi preenchido, no momento em que abri meu coração e deixei Jesus, fazer morada em mim.
    Sou livre pra amar, perdoar,..!!É muito bom sentir
    esse amor dentro de nós!!
    Saiba vc não está só!!como vc mesmo diz!!!
    Ele te ama e eu tbm!!
    Beijos no core,amigo.
    Soninha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Soninha,
      Já senti esses vazios também e acabei encontrando conforto em Deus. Realmente é uma sensação de amparo muito gratificante.
      Beijos e um ótimo fim de semana.

      Excluir
  4. Olá Angelus, com certeza a maturidade nos faz bem mais coerentes para escolhermos o que vamos permitir entrar e sair de nossa vida e no que iremos acreditar e o que seguir. O importante é estar em paz.
    Dias de muita paz e harmonia. Beijinhos.

    http://eternamentevv.blogspot.com.br/2012/07/espiritualidade-blogagem-coletiva.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Verinha, a maturiade é nossa aliada na hora de escolhas como essa.
      Qualquer caminho é válido desde que provova o bem e a paz.

      Beijos.

      Excluir
  5. Ola Angelus,

    Olha concordo totalmente quando diz que as diferentes vertentes religiosas e a vontade que cada uma tem de se sobrepor a outra muitas vezes acarreta em situações tristes como a intolerância, o preconceito e até mesmo a diminuição da fé em função de outros expedientes perigosos!

    No fundo é muito importante estar bem consigo mesmo, cada um com sua busca e a seu tempo. Para que possamos construir uma sociedade mais fraterna, sempre procurando compreender o ponto de vista do outro.

    Abraços Flávio,
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí, Flávio.
      Desde que o objetivo seja pregar o bem entre as pessoas, qual a religião envolvida não importa.

      Grande abraço.

      Excluir
  6. Olá!Boa tarde!
    ...sim... mostrou a construção da sua maturidade pessoal como um processo onde deixou de estar prisioneiro de crenças irracionais, ou tolhido pela intolerância , formulismo e preceitos...importante, que você destacou que , independentemente da religião ou crença, Deus é único!
    Bom final de semana!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Felisberto (quer dizer, agora já é boa noite, hehe)
      Fórmulas e preceitos limitam nosso modo de enxegar o que nos cerca, deixando tudo mais confuso do que já é.
      O primeiro passo para desfazer essa confusão de crenças é admitir Deus como um só.

      Abraço.

      Excluir
  7. Grande Angelus, como estás mano?

    Bem, gostei do teu texto, bem pessoal, direto, e sem firulas, é muito particular discorrer sobre espiritualidade, entra na esfera da fé, e fé não se explica, se vive, quando aprendemos a respeitar a fé alheia e expomos a nossa sem impor, ai começa o respeito pela espiritualidade alheia, e essa blogagem coletiva serve justamente pra isso, para expormos as nossas impressões sobre este tema, quem está certo ou errado não cabe julgarmos, um dia saberemos quem esteve certo ou errado, mas ter fé e acreditar em algo superior além de nos dar um lado emocional equilibrado, somos mais esperançosos em relação à vida e à morte. Eu sou cristão protestante, acredito em Deus, em Cristo como sendo Deus Filho e o nosso único Salvador, e na pessoa do Espirito Santo, exponho minha crença em meu site sem impor ou ofender a fé alheia, e graças à Deus as pessoas comentam as minhas postagens sem constrangimento, e isso pra mim já é uma vitória.

    Parabéns pelo seu texto, e que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo, tudo bem sim, graças a Deus.
      Estou adorando essa blogagem coletiva. E percebi, pelos posts que já li, que há muito respeito da parte dos blogueiros participantes pela crença do outro. Isso é fundamental, principalmente num assunto delicado como esse.

      Ter um lado espiritual é o que nos ampara quando não encontramos respostas lógicas para o que nos acontece. Como você disse, nos dá equilíbrio emocional e esperança.

      Obrigado pela participação e comentário.
      Fica com Deus e grande abraço.

      Excluir
  8. Angelus ignora o antigo coment, cliquei no blog da Karla e acabei mandando pra vc pensando sobre a postagem dela. Acabei lendo, e como você já viu na outra resposta, vi que você priorizou a fé, e que isso é a unica coisa comum em todos os credos. eu tenho o mesmo pensamento, mas acredito em Deus de uma forma especial.Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Victor, são tantos blogs participantes que acabamos nos confundindo mesmo.

      Fé é algo especial e íntimo, e mesmo quem não tem uma religião tem fé. Em alguns casos, a fé é algo tão inerente à pessoa que ela nem sabe que a tem até parar para pensar no assunto.

      Abraço e bom fim de semana.

      Excluir
  9. Angelus,
    Conforme relatou sua jornada espiritual, foi se despindo dos dogmas que lhe foram impostos e chegou a conclusão de que Deus é suficiente em sua vida, sem mais delongas e controvérsias.
    Beijokas doces e um bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As coisas mais belas estão na simplicidade, Marly. Então pulei todas as cerimonias e regras e fui direto a Deus.

      Beijos e bom fim de semana pra você também.

      Excluir
  10. Olá Angelus, boa noite!

    Gostei imensamente do teu texto, mas, em especial quando você diz que conforme foi amadurecendo, deixou de lado a religião especificamente e passou a dar prioridade à religiosidade, que todas tem um ponto em comum que é Deus!
    E você tem toda a razão, afinal, a Religião nos passa vivências de fora pra dentro, e a Religiosidade emana nossos valores como a fé e o Amor, de dentro pra fora.

    Parabéns por sua participação brilhante nessa Blogosfera Coletiva , adorei!

    B eijos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Lu
      Religiosidade é bem diferente de religião. Religiosidade é uma coisa íntima, que vem de dentro de nós, como você falou. É nossa busca pessoal para encontrar Deus.

      Obrigado pela visita. Um fim de semana abençoado pra você. Beijo.

      Excluir
  11. Nesse quesito, sou parecido com você. Acredito em Deus e ponto. Parei de frequentar a igreja quando amadureci e percebi certas coisas. Eu tenho fé e ponto. Não é ir à igreja e seguir todos seus princípios que fazem ter mais ou menos fé. E vamos combinar, aquele formato de missa, principalmente as de domingo, é bem chatinho kkkk
    Gostei de ler seu texto, me identifiquei com ele. hehe
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que concorda comigo Mateus. Realmente não vai ser o fato de irmos a missa ou não que medirá nossa fé ou muito menos dizer se somos mais pecadores ou não.

      Abraço.

      Excluir
  12. Olá parceiro, mesmo não frequentando a missa, creio que ainda pode ser considerado Católico, pois no Catolicismo é que oram a Ave-Maria (na umbanda também, mas acredito não ser o seu caso). Eu admito que não tenho mais orado, pelo que deu para perceber em meu post estou entre a linha entre o agnóstico e o ecumênico. Ecumênico porque frequentei tantas denominações e procurei extrair o que era de bom nelas, respeitando-as e agnóstico porque não se pode provar que Deus (este Deus tipicamente conhecido) existe, tampouco se pode provar que não. E assim estou agora, um pouco mais sossegado. Mas tive meus momentos de grande sede espiritual como deve ter percebido em meu (imenso) relato.
    O importante é estar bem consigo mesmo e muitas religiões me faziam me sentir muito mal, isto sim, não é legal.

    ResponderExcluir
  13. Olá Angelus, gostei de seu texto e de sua autenticidade.
    Estou visitando os blogs na medida do possível, são tantos!
    Parabéns por abrir seu coração e dizer o que pensa de maneira clara, sincera.
    Em se tratando de religiosidade, como voce disse, o assunto não é simples,não raro torna-se polêmico.
    Portanto é fundamental que se respeite a opinião e a religiosidade alheias.
    Parabéns, gostei muito. Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Muito interessante tua visão sobre religiosidade. Só acho impossível as religiões chegarem a um "consenso" como tu diz em "Ao invés de tentar descobrir qual deus é melhor, o correto seria vê-lo como único, aquele que visa o bem de todos e a união dos semelhantes". Visto que a interpretação de cada religião sobre seu deus, mesmo que oriundo da mesma escritura, concede a ele uma nova forma. Em uma ele é mais punitivo, noutra mais bondoso, noutra ainda mais intervencionista, noutra nada. E, além do mais, há outras religioes politeístas as quais não se encaixariam um deus um único. Como os umbandistas, que são expressivamente numéricos e merecem todo nosso respeito. Independente de qual religião seguir, o importante é estarmos bem com nossa própria espiritualidade. E vejo que estás. Parabéns. Um grande abraço! http://salpage.blogspot.com.br/2012/07/blogagem-coletiva-espiritualidade.html

    ResponderExcluir
  15. Querido Angelus, adorei seu comentário lá no Umas e outras...

    PErcebo que temos muitos pontos em comum, parceiro! Acredito que a fé dogmática acaba destruindo o que temos de mais interessante, a individualidade! Algumas pessoas perguntam à mim como eu faço com mue filho, pois o mesmo está crescendo sem ir à igreja. Eu respondo: ele está crescendo como qualquer outra criança, sendo educado para ser um cidadão de valor. Ele crescerá sem ter receio da palavra pecado(que aliás, nem faz parte do vocabulário dele...), mas sabendo muito bem o que é certo e errado. É engraçado acharmos que para sermos pessoas de bem precisamos estar ligados à religião, não é mesmo!? Enfim, curti demais seu texto...

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  16. Tem disto tmb... a busca além dos rótulos.
    Acho que a fpé, manifesta da forma que for, fortalece o homem, acalma, cria um senso de paz além do óbvio.

    ;D

    ResponderExcluir
  17. Boa noite, Angelus.
    O que você narrou eu creio que ocorre com todos nós, independente de como sejamos criados; chega uma época em que as respostas prontas simplesmente não nos bastam mais e procuramos buscar nosso caminho nós mesmos.
    Espiritualidade nada tem a ver com religião que, por sua vez em nada define nosso caráter ou personalidade.
    Abraço, Angelus.

    ResponderExcluir
  18. Olá, querido.
    Não participei ( infelizmente) da blogagem coletiva, mas estou visitando alguns participantes na medida do possível Cá estou eu.
    Achei legal sua colocação sobre sua forma de crer em Deus.
    Acho que o que você citou acontece com muita gente, e grande parte dessas pessoas acabam perdidas, pois de tanto aprenderem sobre religiosidade, dogmas, usos e costumes, acabam esquecendo do principal: Deus. Por isso muitos sucumbem em pensamentos minúsculos.
    Mas é isso aí, querido. Fé em Deus para seguir em frente.

    Beijo!
    parabéns por sua participação na blogagem coletiva.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  19. Boa noite! Hoje consegui chegar em seu blog, rsrs....

    Gostei do modo sincero e claro como conduzistes seu texto, e concordo em uma coisa que achei importante você ter ressaltado: religião é diferente de religiosidade. Espiritualidade não é religião.
    Religião vem de "re-ligare", mas muitas vezes as regras para essa "re-ligação" acontecer acabam atrapalhando o processo. Jesus mesmo disse que os adoradores em espírito e verdade seriam livres, e não carregariam fardos pesados.
    Gostei em particular destas suas frases:
    "Sinceramente, acho que religião atrapalha a fé. Reconheço que religião é uma forma de orientar uma pessoa que está confusa e conduzi-la para algo que trará coisas boas. Porém o grande problema é que são correntes demais e distintas demais. Uma sempre tenta se sobrepor à outra, afirmando que ela leva à verdade e a outra à mentira. Isso limita a fé, tira o objetivo principal que é enxergar o criador por trás de todas as coisas. "

    Abraços e parabéns pela sua participação na blogagem!

    ResponderExcluir
  20. Legal sua participação ... achei seu depoimento sincero, a maioria das pessoas que nascem em berço católico vivem a mesma realidade que você, é o que eu pude perceber ao longo das blogagens coletivas. Porém sua fé é algo seu, e é o que você tem de mais precioso e nenhuma postagem poderá definir, mesmo que seja detalhada, né? *-* . Gostei do seu post.Beijão, www.spiderwebs.com.br s2

    ResponderExcluir
  21. Oi amigo, muito interessante seu ponto de vista sobre o tema. Também tenho uma postura parecida visto que não frequento mais esses espaços, mas nunca deixei de acreditar em Deus, de forma alguma. Acredito que a fé nos mantém fortes e com esperança, o que nos ajuda a enfrentar a dureza do dia a dia. É a nossa força interior. Assim como a nossa conduta com o outro, seja ajudando, fazendo o bem ou simplesmente sentido de forma sincera que você quer bem ao próximo.

    Que Deus te abençoe e ilumine seu caminho.

    ResponderExcluir
  22. Oi Angelus
    Retornando das férias, agora sim estou tirando o atraso nos comentários aos blogs dos amigos, gostei do modo como explicou seu modo de ver a religião, e concordo com vc que a religião atrapalha a fé, e olha que eu sou cristã kkkkk, para mim Jesus é suficiente, Ele é minha religião. Belo post.
    Bjão. Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  23. Oi Luciana,
    Que bom que está de volta!
    Fique com Deus também. Beijo!

    ResponderExcluir
  24. Olá, Angelus!
    É a primeira vez que visito o seu blogue. Gostei imensamente da sua forma de escrever. Esse texto transmite muita tranquilidade e certeza a respeito de suas crenças e de sua opinião sobre espiritualidade.
    Também penso como você. Religião e religiosidade não se confundem e Deus é apenas um. É nele que eu acredito.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Seja muito bem vindo! Sua opinião pessoal sobre o post é muito importante.