Pesquisar neste blog

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

5 No Fim...





Dentre tantos universos
Dentre tantos planetas
O Sol apaixonou-se pela Terra
E esta refletiu o brilho dessa atração

Alimentaram esse amor à distância
Sem perder o ardor
Cobiçando um ao outro
Através de um véu de estrelas

Séculos-luz passaram-se
Enfim é chegada a hora do encontro
Não há mais obstáculos
Não há mais tempo

Correm em direção um ao outro
Abraçam-se num caos de braços e pernas
O desejo explode do peito
Devastando a solidão

Entrelaçam os dedos numa dança lasciva
O fogo consome, queima, grita
Excita
Brincadeira libidinosa de destruição

Os dias e as noites confundem-se
As horas não mais existem
Nada mais importa agora
Eles só querem se amar

Espero que este post não seja o último.

Angelus.


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

11 Como Não Fazer Uma Declaração De Amor





Não falo dos teus olhos
Falo dos meus, tortos
Que insistem em se virar na tua direção

Não te exalto ao brilho da Lua
Ela não tem luz própria
Muito melhor é o Sol que te esquenta,
Incentivando-te a revelar tuas curvas perfeitas

Não comparo meu amor ao tamanho do mar
A água é salgada
Arde nas feridas que já me causastes

Teu perfume não é o das flores
Elas têm cheiro de morte
Prefiro a vida
A nossa vida de preferência

Não enfatizo teu corpo
Isso qualquer cego pode notar
Digo do meu, que te desejas com ardor

Pra quê pensar em futuro?
Penso no agora
Em como faço para que me vejas
No amanhã eu me repito e penso em como manter teu olhar

Meu amor, enfim, é egoísta
Almeja-te só para ele
Um tratamento paliativo para amenizar esse desejo que não cessa.

Angelus.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

13 Fica O Que Sobra



O passado já partiu

O hoje apronta as malas

E o amanhã chega de viagem

Trazendo nas malas presentes desconhecidos

Que venham

Que passem

E que fique o que sobrar

Nada mais.

Angelus.